Clube do Código

A utopia do emprego com carteira assinada

By 4 de janeiro de 2020 No Comments

O emprego com carteira assinada nunca foi algo universal no Brasil. Mesmo no melhor momento do mercado de trabalho, quando a taxa de desemprego chegou à sua mínima histórica, a formalização flertou próxima a 40% da população ocupada. O gráfico abaixo ilustra a distribuição das diferentes categorias de emprego na população ocupada.

O emprego com e sem carteira no gráfico refere-se ao emprego privado. O emprego com carteira representa algo como 35% da população ocupada, enquanto a categoria conta própria chega a 26% e os sem carteira com 12%,5%, para o último dado disponível.

De modo a ilustrar o comportamento da formalização dentro da população ocupada, eu fiz um exercício simples de ampliar a PNAD a partir dos dados da PME. Isso é necessário porque os dados da PNAD estão disponíveis a partir de março de 2012 apenas. Com efeito, ampliei a razão entre emprego privado com carteira assinada e população ocupada total da PNAD com base na mesma razão contida na PME, gerando uma série com dados desde 2002. O gráfico a seguir ilustra.

Como é possível observar, o pico da série ocorre no auge do mercado de trabalho, quando o desemprego está na mínima histórica. Mesmo nesse momento, o emprego privado com carteira assinada representava apenas 40% da população ocupada.

_______________

(*) Os códigos do exercício estarão disponíveis amanhã na Edição 72 do Clube do Código.

(**) Aprenda a fazer análises como essa com nossos Cursos Aplicados de R.

Comments

Cadastre-se na newsletter
e receba nossas novidades em primeira mão!