Implementação do neoliberalismo no Brasil: a visão pessimista.

O neoliberalismo sempre foi no Brasil um palavrão. Algo sempre associado de modo pejorativo. Poucos economistas veem uma de suas principais facetas, a abertura externa (ou globalização, para usar o jargão), como algo positivo. Eu, por suposto, sempre achei que ela traz externalidades positivas para o país. Sempre achei que a economia brasileira precisava de fato de um "puxão de orelhas", por assim dizer, no final da década de 80. Afinal, após mais de meia-década de protecionismo, era hora de enfrentar a concorrência com produtos importados. Hoje, após mais de 20 anos da segunda abertura dos portos iniciada no finalzinho do governo Sarney e aprofundada no governo Collor, não há dúvidas de que temos uma indústria muito mais eficiente.

E as coisas boas param por ai. Quando se toca no tema indústria, há mais críticas do que propriamente elogios. Todo industrial que se preze reclama da taxa de câmbio, dos juros altos, da carga tributária, do sistema jurídico ineficiente e do péssimo sistema público de educação. Especificamente sobre o ambiente externo, reclamam que não querem protecionismo, mas apenas uma "taxa de câmbio competitiva". Estão certos? Não faço aqui julgamentos. Minha questão hoje é apresentar uma nota um pouco mais longa que escrevi no final do ano passado. A idéia era desenvolver a "visão pessimista" da abertura externa, uma das principais características da implementação do neoliberalismo nos países da América Latina.

Nesse contexto, avalia-se até que ponto podemos dizer que a abertura externa provoca problemas estruturais na economia brasileira. Busquei fugir das interpretações toscas e viesadas do que seja neoliberalismo e questionei criticamente alguns postulados clássicos dessa estratégia de desenvolvimento. Para ler a nota clique aqui.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

Analisando o impacto fiscal de propostas legislativas com IA

Todos os anos milhares de proposições legislativas são geradas na Câmara dos Deputados e Senado Federal, o que dificulta o trabalho de monitoramento feito por economistas, jornalistas e analistas de mercado. No entanto, ao empregar técnicas de engenharia de prompt e IA, podemos analisar estas milhares de proposições em questão de segundos. Neste exercício mostramos o caminho para esta automatização usando o Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.