Vendedores de sonhos

Em um extenso artigo de 1982, publicado na revista Simposium, o ex-ministro Mário Henrique Simonsen declarou que era praticamente impossível combater a inflação sem efeitos colaterais temporários sobre o produto ou sobre o emprego. Era uma quase “vingança” contra o então ministro Delfim Neto, que havia prometido a terra dos sonhos anos antes, sem os dissabores da recessão, para lidar com a inflação e com o déficit em conta corrente. Como se sabe, Delfim foi obrigado a operar ajuste recessivo, na esteira do aumento de juros norte-americanos, levando a economia brasileira à “estagflação”. Estagnação do crescimento com inflação.

Conto o caso para tornar um pouco menos dolorosa a análise da conjuntura econômica atual. Por mais que os personagens mudem, o enredo me parece o mesmo, afinal. Tanto lá quanto cá, há ainda o embate, cada vez menos agradável, entre economistas de orientação heterodoxa e outros, de linhagem ortodoxa. Em particular, sobre o dilema entre inflação e desemprego, a presidente mostrou recentemente de que lado está. Para Dilma Rousseff, inflação de 3% só é compatível, afinal, com desemprego em 12%.  À primeira vista, desse modo, dirá o leitor, Dilma e Simonsen estariam no mesmo lado. Tanto este quanto aquela, afinal, vislumbram a tortura do desemprego para programas de desinflação da economia. É o caso?

Precisamente não. É notavelmente conhecida a orientação teórica do ex-ministro Simonsen, bem como a da brilhante ex-aluna de Maria Conceição Tavares, a atual presidente. Ao citar os efeitos sobre produto e emprego de um programa de desinflação, Simonsen faz questão de salientar o adjetivo temporário. É o custo por ter empreendido anos antes política econômica, fiscal e monetária, expansionista. Era verdade no longínquo 1982, é verdade em 2014.

Sabe-se hoje que inflação se controla com política monetária transparente, capaz de influenciar as expectativas dos agentes econômicos. O dilema entre inflação e desemprego existe apenas no curto prazo, dada a rigidez de preços, provocada por imperfeições de mercado. Fossem os preços integralmente flexíveis, não haveria ajuste via quantidade, sem impacto sobre os bens e serviços produzidos em determinado período.

O papel das expectativas em programas de desinflação foi esmiuçado pela literatura nos últimos vinte anos. A condução da política monetária hoje é, afinal, toda ela voltada para ancorar as expectativas dos agentes. Em palavras outras, se os agentes não acreditam na autoridade monetária, os custos de desinflacionar a economia, em termos de produto e emprego, são perversamente maiores. É o que Simonsen já dizia em 1982!

Salienta-se, nesse aspecto, que apesar do avanço da teoria econômica, em particular da teoria de política monetária, há ainda vendedores de sonhos espalhados por ai. Os que prometem usar a política econômica expansionista para gerar crescimento e, portanto, menor desemprego. Tudo o mais constante, só o que se colhe com esse procedimento é inflação resistente. Tanto em 1982 quanto hoje.

Não existe, em assim sendo, dilema permanente entre inflação e desemprego. Logo, é perfeitamente possível ter uma meta de inflação de 3% com desemprego baixo. Para implementar esse “equilíbrio econômico”, entretanto, necessita-se retirar os obstáculos que engessam a expansão da oferta agregada, bem como voltar a ter uma política macroeconômica crível. Ambas, hoje, dependem da aprovação de reformas institucionais de complexidade conhecida. Apenas com esse procedimento a economia brasileira poderá voltar a crescer de forma sustentável, sem os percausos da inflação e/ou do déficit em conta corrente.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.