Baixando dados do IPEADATA, FGV, Banco Central e IBGE com o R

[et_pb_section admin_label="section"][et_pb_row admin_label="row"][et_pb_column type="4_4"][et_pb_text admin_label="Texto" background_layout="light" text_orientation="justified" text_font="Verdana||||" text_font_size="18" use_border_color="off" border_color="#ffffff" border_style="solid"]

É com enorme felicidade que tenho visto a maior penetração do no país. Ao longo das últimos meses, por onde passo, sou abordado por pessoas que conhecem a Análise Macro e estão interessadas em aprender o R. Passados dois anos do início desse projeto - sim, estamos comemorando dois anos! -, não deixa de ser bastante auspicioso verificar o avanço do uso da linguagem entre estudantes, profissionais de mercado e professores. Uma das formas de avaliar esse avanço, diga-se, é na produção de pacotes para coleta de dados nas principais bases do país. Nesse post, vou falar dos pacotes atualmente disponíveis para pegar dados do IPEADATA, FGV, IBGE Banco Central. Caso tenha esquecido de algum, por favor, deixe aí nos comentários!

BETS

O pacote que mais tenho utilizado atualmente para pegar dados dessas bases é o BETS, pacote produzido pelo pessoal da FGV. Está disponível no CRAN e tem se mostrado bastante estável, à medida que alguns bugs foram corrigidos. Ele pode ser utilizado para pegar dados do Banco Central, IBGE e da FGV. Um vignette do pacote está disponível aqui.


library(BETS)

BETS.chart(ts = 'iie_br', file = "iie_br", open = TRUE)

rbcb

Outro pacote que tenho utilizado é o rbcb, produzido pelo Wilson Freitas. Ele serve, como o próprio nome já entrega, para coletar dados do Banco Central.

library(rbcb)
library(ggplot2)
ipca = get_series(433)
ggplot(ipca, aes(x=date))+
 geom_line(aes(y=ipca$`433`), col='darkblue')

ribge

Um pacote que conheci recentemente foi o ribge, que ainda está em fase de desenvolvimento, disponível no GitHub. Tomare que ao longo dos próximos meses esteja plenamente funcional!

ecoseries

Por fim, outro pacote que também coleta dados do SIDRA IBGE, Banco Central e IPEADATA é o ecoseries, disponível no CRAN.


library(ecoseries)
library(BETS)
library(ggplot2)
library(forecast)

ipca = window(ts(series_ipeadata('36482', 
 periodicity = 'M')$serie_36482$valor,
 start=c(1979,12), freq=12), start=c(1999,08))

base = window(BETS.get(1833), start=c(1999,08))

data = ts.intersect(base, ipca)

par(mar=c(5,4,4,5)+.1)
plot(data[,1]/1000000, xlim=c(2000,2017), xlab='', ylab='Base Monetária',
 col='red', lty=1, lwd=2)
par(new=T)
plot(data[,2], xlim=c(2000,2017), xlab='', ylab='', 
 xaxt='n',yaxt='n', col='blue', lty=1, lwd=2) 
axis(4)
mtext('IPCA',side=4,line=3)
mtext('Base Monetária vs. IPCA', side=3, line=1, font=2)
mtext('Fonte: analisemacro.com.br com dados do IPEA e do BCB.', 
 side=1, line=3, font=1)
legend('topleft', col=c('red','blue'), lty=c(1,1), lwd=c(2,2),
 legend=c('Base', 'IPCA'))
grid()


Na minha visão, o e outras linguagens como o Python serão cada vez mais utilizadas no país, seja para fazer coleta de dados como os exemplos aqui, seja para facilitar/automatizar a vida dos analistas. E, claro, o momento de se tornar fluente nessas linguagens é agora! 🙂

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label="row"][et_pb_column type="1_3"][et_pb_image admin_label="Imagem" src="https://analisemacro.com.br/wp-content/uploads/2017/05/econometria2.png" show_in_lightbox="off" url="https://analisemacro.com.br/cursos-de-r/cursos-de-econometria/" url_new_window="off" use_overlay="off" animation="left" sticky="off" align="center" force_fullwidth="off" always_center_on_mobile="on" use_border_color="off" border_color="#ffffff" border_style="solid"]
[/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type="1_3"][et_pb_image admin_label="Imagem" src="https://analisemacro.com.br/wp-content/uploads/2017/11/datascience.png" show_in_lightbox="off" url="https://analisemacro.com.br/cursos-de-r/" url_new_window="off" use_overlay="off" animation="left" sticky="off" align="center" force_fullwidth="off" always_center_on_mobile="on" use_border_color="off" border_color="#ffffff" border_style="solid"]
[/et_pb_image][/et_pb_column][et_pb_column type="1_3"][et_pb_image admin_label="Imagem" src="https://analisemacro.com.br/wp-content/uploads/2016/04/canva03.png" show_in_lightbox="off" url="https://analisemacro.com.br/cursos-de-r/macroeconomia-aplicada/" url_new_window="off" use_overlay="off" animation="left" sticky="off" align="center" force_fullwidth="off" always_center_on_mobile="on" use_border_color="off" border_color="#ffffff" border_style="solid"]
[/et_pb_image][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.