Inércia inflacionária

Voltamos a discutir temas velhos, leitor, não tem jeito. Publicada hoje no Valor matéria de uma página sobre o papel da inércia na inflação. Em termos técnicos, a inércia é o componente regressivo da inflação. Para ver isso basta tomar o correlograma da primeira diferença de algum índice de inflação, como o IPCA e verificar se alguma defasagem do próprio índice é significativa para explicar a trajetória da série.  Em palavras de gente, é o quanto a inflação passada explica a inflação presente. O ideal seria que o comportamento dos preços fosse integralmente explicado pelo confronto entre oferta e demanda dos bens e serviços. Desse modo, seria mais fácil para a política monetária corrigir desvios entre a oferta e demanda agregadas. Como isso é uma utopia, o Banco Central deve considerar o componente regressivo da inflação no momento de calibrar o instrumento de política. Em outros termos, quanto maior é a inércia, mais difícil será trazer a inflação efetiva para a meta. Dito isto, a matéria do Valor traz um estudo publicado pelo Banco Central todo ano, no primeiro relatório de inflação do ano, desde de 2006, sobre a decomposição da inflação do ano anterior.

Verifica-se que a inércia foi responsável por 13,7% da inflação de 5,91% no ano passado, maior do que os 5,8% de contribuição em 2012. A "série histórica" dos estudos do banco não indica que a inércia esteja mostrando tendência de alta ao longo dos anos, então é um pouco prematuro dizer que a economia brasileira está se tornando mais "indexada", i.e., os agentes estão tentando se proteger da inflação via mecanismos de correção da inflação passada. Um ponto importante, citado na matéria, é a regra atual do salário mínimo, instituída - salvo engano - em 2006. A indexação do salário mínimo à inflação de um ano mais o crescimento do PIB de dois anos anteriores poderia explicar algum aumento da inércia. Mas as evidências de que o salário mínimo esteja gerando um salário médio maior, o que explicaria que o mínimo serve de "piso" para o salário médio, como colocado na matéria, não se sustentam: a relação mínimo/médio aumentou desde então.

Uma outra forma de ver o mesmo problema é verificar o impacto direto do salário mínimo na inflação, algo que o próprio Banco Central já fez em um dos seus boxes do RTI (Relatório Trimestral de Inflação). Aumentos de 10% no salário mínimo geram impacto em torno de 0,2 p.p. no índice cheio, após quatro trimestres. Eu diria que é pouco, em magnitude. O mais importante nesse estudo, e isso é preocupante, é o fato de que o salário mínimo tem impacto maior sobre a inflação de serviços, que é intensiva em mão de obra e responde por mais de 30% do índice cheio. A inflação de serviços, por suposto, tem uma inércia mais elevada do que o índice cheio. Desse modo, um aumento do salário mínimo tem maior persistência sobre esse grupo de preços. Pelos estudos do Banco Central pode-se dizer que o mesmo tem efeitos permanentes sobre a inflação de serviços. É justamente por isso que a regra do salário mínimo precisa levar em conta a produtividade da economia, contribuindo para que oferta e demanda agregadas caminhem juntas.

O assunto é velho, leitor, porque existe uma longa literatura sobre o papel da inércia na inflação brasileira. Na década de 80 chegou-se até a classificar a inflação como "puramente inercial". Ou seja, a inflação hoje é alta porque a de ontem foi alta e assim por diante. Ou seja, conversa para boi dormir. A inércia pode explicar a dificuldade de trazer a inflação para a meta, mas ela não nos condena a conviver com uma inflação de 6% ao mês, como não nos condenou a ter 90% ao mês para todo o sempre. Quanto maior for a indexação da economia, maior será o poder de explicação da inércia para o nível de inflação, mas isso não significa que é impossível trazê-la para 3%, por exemplo. Só significa que é mais difícil, porque não depende apenas da política monetária, depende de reformas do sistema de preços, que, aliás, foram iniciadas no plano real, lembra?

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Analisando a ancoragem das expectativas de inflação no Python

Se expectativas de inflação ancoradas com a meta são importantes para a economia, analisar o grau de ancoragem é imperativo para economistas e analistas de mercado. Neste exercício mostramos uma forma de aplicar esta análise com uma metodologia desenvolvida pelo FMI. Desde a coleta dos dados, passando pelo modelo e pela visualização de dados, mostramos como analisar a política monetária usando o Python.

Como analisar a DRE de empresas de capital aberto usando o Python

Quando analisamos a demonstração de resultados de uma empresa listada na bolsa de valores, frequentemente recorremos a ferramentas convencionais, que embora sejam úteis, muitas vezes carecem de automação. É aqui que entra o Python. Neste post, exploramos o poder do Python para automatizar o processo de coleta, tratamento e análise dos dados da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) da Eletrobras, utilizando dados fornecidos pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Como construir uma Curva IS no Python

Neste post mostramos como podemos construir um modelo que descreve a Curva IS a partir da linguagem Python. Passamos por todo o processo de construção de um exercício de dados, realizando a coleta, o tratamento, a modelagem e a demonstração dos resultados encontrados.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.