Tudo pelo social?

socialAposto 100 surreais com você que se eu perguntar a 10 pessoas se elas são a favor de políticas sociais, 9 delas responderão com um sonoro "claro". Transferências, assistência social, previdência pública, bolsa família, saúde pública, educação pública, segurança pública etc. Como social-liberal, a priori, também não sou contra uma "agenda social". Creio que certos instrumentos sejam necessários para proporcionar maior igualdade de oportunidades entre os indivíduos. Economias de mercado não funcionam bem, afinal, se as pessoas são muito desiguais, dado que toda a sorte de conflitos fica latente. Esse é um ponto. Outra questão, talvez mais importante, é a seguinte: quem vai pagar a conta? Pode ser o economista que existe dentro de mim falando, mas o gráfico ao lado, elaborado pelo também economista Renato Lerípio, me dá arrepios. Isto porque, quando leio entrevista do ex-secretário da Fazenda, Nelson Barbosa, só o que me vem à mente são "mais gastos". Ou seja, a linha ascendente das despesas se encontrará rapidamente com a linha "constante" das receitas. As demandas sociais não parecem caber no "orçamento público", como nota aqui o brilhante Samuel Pessôa. Para aquecer o debate, uma bela réplica de Alexandre Schwartsman aqui. Só reformas estruturais, que tornem a produtividade da economia brasileira crescente, poderão fazer com que possamos pagar essa conta. O modelo de "economia social de mercado" alemão é um bom exemplo.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

Analisando o impacto fiscal de propostas legislativas com IA

Todos os anos milhares de proposições legislativas são geradas na Câmara dos Deputados e Senado Federal, o que dificulta o trabalho de monitoramento feito por economistas, jornalistas e analistas de mercado. No entanto, ao empregar técnicas de engenharia de prompt e IA, podemos analisar estas milhares de proposições em questão de segundos. Neste exercício mostramos o caminho para esta automatização usando o Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.