A culpa do baixo crescimento é da crise internacional?

Ontem, com a divulgação do PIB brasileiro do segundo trimestre, o ministro da fazenda, Guido Mantega, voltou a por a culpa na crise internacional. É o que o governo vem fazendo desde que o crescimento passou a se reduzir, ao final de 2010. No ano passado, por exemplo, eu escrevi a respeito aqui, comparando tanto crescimento quanto inflação ao redor do mundo. Hoje volto ao tema, fazendo um exercício um pouco diferente. Com o anúncio feito pelo candidato Aécio Neves (PSDB) de que em eventual governo o seu ministro seria Arminio Fraga, algumas pessoas me perguntaram ao longo da semana o fato de se na época dele o problema do baixo crescimento também não era da crise internacional. Como verificar isso na prática?

A pergunta que queremos responder é a seguinte: a crise externa causou menor crescimento no país em 1999-2001 e em 2011-2013?

Há diversas formas de responder isso, umas mais robustas do que outras. Uma maneira simples é verificar o crescimento brasileiro nesses períodos e compará-lo com o que aconteceu no mundo. O cuidado que deve ser tomado nessa comparação é, claro, tomar países minimamente comparáveis ao Brasil. Um critério simples - existem diversos - é tomar países com renda per capita parecida com o nosso e países da América Latina. Fazendo isso, o gráfico do crescimento médio em cada um desses períodos é posto abaixo.

mundo

O crescimento do Brasil é praticamente igual nos dois períodos, próximo a 2%. A diferença é no crescimento dos demais países. Enquanto entre 1999-2001 os países da amostra cresceram próximo a 1,7% ao ano, entre 2011-2013 eles cresceram próximos a 4,5%.

Talvez incomode a alguém comparar o Brasil com o Peru, por exemplo. Afinal, enquanto a nossa renda per capita está próxima a US$ 11 mil, a do Peru está em US$ 6,6 mil*. Então, em um segundo exemplo, eu tomei apenas países e grupos de países com renda per capita próxima a brasileira. O gráfico abaixo resume essa nova comparação.

mundo02

Pois é, os resultados mudam pouco. O crescimento desses países entre 1999-2001 fica próximo a 1,5% e entre 2011-2013 próximo a 4,8%.

O leitor pode, inclusive, consultar a base de dados do banco mundial aqui e utilizar outros critérios. Como se vê, o exercício não exige pré-requisitos sofisticados de econometria ou estatística. Qualquer pessoa com conhecimento básico de excel pode realizar o confronto de dados e tirar as devidas conclusões. E, claro, comparar essas conclusões com o que vem dizendo a equipe econômica... 🙂

(*) Uma análise mais cuidadosa teria que que considerar a renda per capita em termos de paridade de poder de compra, afinal, US$ 100 não compram a mesma quantidade de bens em países distintos. O ajuste, entretanto, não causa maiores problemas para o argumento principal, logo para efeitos de análise simplificada - que pode ser feita por qualquer pessoa - considerar a renda per capita em valores correntes (2013) parece ser suficiente.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Como usar o Google AI Studio e o Gemini?

Na corrida da IA, novas ferramentas e modelos são lançados quase que diariamente. Neste artigo mostramos como o Google tem competido neste mercado através do AI Studio e do Gemini e damos um exemplo de integração em Python.

Analisando a ancoragem das expectativas de inflação no Python

Se expectativas de inflação ancoradas com a meta são importantes para a economia, analisar o grau de ancoragem é imperativo para economistas e analistas de mercado. Neste exercício mostramos uma forma de aplicar esta análise com uma metodologia desenvolvida pelo FMI. Desde a coleta dos dados, passando pelo modelo e pela visualização de dados, mostramos como analisar a política monetária usando o Python.

Como analisar a DRE de empresas de capital aberto usando o Python

Quando analisamos a demonstração de resultados de uma empresa listada na bolsa de valores, frequentemente recorremos a ferramentas convencionais, que embora sejam úteis, muitas vezes carecem de automação. É aqui que entra o Python. Neste post, exploramos o poder do Python para automatizar o processo de coleta, tratamento e análise dos dados da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) da Eletrobras, utilizando dados fornecidos pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.