Previsão da produção industrial

confiancaAltos e baixos no clima nesses primeiros quatro meses de 2014. O verão intenso de janeiro e fevereiro deixou problemas na inflação de alimentos e aprofundou a crise no setor elétrico. Já as temperaturas amenas de abril parecem ter resfriado tanto a confiança quanto a expectativa de consumidores e empresários. É o que se depreende da leitura dos índices da Fundação Getúlio Vargas. A produção industrial deve reagir a contento, enquanto os índices de inflação teimam em se manter em patamar elevado. Abril foi inóspito para a economia brasileira.

O gráfico acima ilustra o comportamento dos números índices da confiança nos setores de comércio, indústria, serviços, construção e também dos consumidores. Todos em declínio nesse primeiro quadrimestre. Na comparação com o mês de abril do ano passado, por exemplo, a confiança do consumidor caiu 6,8%. Se a confiança dos agentes no ambiente econômico é ruim, isso se reflete no que esperam para o futuro. Os índices de expectativa captam esse movimento, como pode ser visto abaixo.

expectativa

Índices de confiança e expectativa ruins costumam antecipar resultados nada bons no nível de atividade. Em particular, a produção industrial de março deve refletir a piora no ambiente econômico. Para captar esse pesimismo eu estimei alguns modelos. O que apresentou as melhores medidas de desempenho, bem como passou nos testes corriqueiros foi o a com a especificação abaixo:

PIMPF_MENSAL = C(1)*PIMPF_MENSAL(-1) + C(2)*CONFIANCA_F + C(3)*VEICULOS + C(4)*SELIC(-18) + C(5)*NUCI + C(6)

previsao

Para gerar uma previsão da produção industrial entre março e dezembro desse ano foi utilizada a série de Confiança Industrial da Fundação Getúlio Vargas (CONFIANCA_F), a série de produção de veículos da ANFAVEA (VEICULOS), a taxa básica de juros (SELIC) e o Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI). O período da amostra foi de julho de 2004 a fevereiro de 2014, totalizando 116 observações. Os resultados estão compilados na tabela abaixo.

tabela

Como pode ser observado, para os meses de março e abril a produção industrial deve ficar em zona negativa, refletindo a perda de confiança dos empresários, a queda na produção de veículos e a redução no nível de utilização da capacidade instalada. Em outras palavras, todos os indicadores antecedentes indicam perda de fôlego na produção industrial nesses e nos próximos meses, o que é ratificado pelo modelo colocado acima.

Importante ressaltar que na segunda-feira o IBGE realizou um seminário para explicar algumas mudanças metodológicas na pesquisa da produção industrial, o que deve gerar impacto sobre os números colocados acima. É esperado que com a adição de setores de TI haja algum avanço no crescimento da produção. Em outras palavras, os números da projeção acima podem estar subestimando o avanço do setor ao longo de 2014. Isso, entretanto, é reflexo de números antecedentes muito ruins. Em particular, a queda na produção da automóveis, que possui grande influência na indústria de transformação. A PIM-PF de março será divulgada pelo IBGE no próximo dia 7 de maio.

inflação

A despeito de perspectivas nada favoráveis para o nível de atividade nos próximos meses, a inflação caminha na direção contrária. A tabela acima resume alguns índices de preços. Como pode ser visto, em termos anuais, todos situam acima de 6%. Em particular, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) deve refletir em abril o choque de alimentos e o aumento de tarifas - que comentarei na próxima semana -, se aproximando do teto do intervalo de confiança. Em outras palavras, a economia brasileira vive nesse momento uma perspectiva bastante clara de estagflação: estagnação do nível de atividade com aumento generalizado de preços. É, em assim sendo, um cenário bastante pessimista.

 

 

(*) Interessados no modelo podem me enviar e-mail que eu repasso o arquivo do eviews. 

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.