Sobre a próxima reunião do Copom e a condução da política monetária

A próxima reunião do Comitê de Política Econômica (o Copom) nos dias 28 e 29 de agosto ocorrerá em meio a um início de retomada do nível de atividade. Um início tímido, é bem verdade, mas de acordo com o cenário central do Banco Central. Adicione-se a isso um choque de oferta no grupo Alimentos e Bebidas, causado pela seca norte-americana e pelo frio no Sul do Brasil. Será que o Comitê banca mais 50 pontos-base de corte na Selic?

Se você, leitor, me perguntasse isso antes da crise de 2008 eu responderia com absoluta certeza: o afrouxamento para em 8% a.a. Mas já aqui, diante de uma situação sui generis no campo internacional, creio que há espaço para mais um corte. Ao menos mais um corte de 50 pontos-base. Isto porque, a situação externa é uma combinação de "pouso suave" da China, retomada tímida (e nada sustentável) do nível de atividade da economia americana e crise europeia. No primeiro caso, há problemas estruturais profundos envolvendo o país asiático. Mesmo com uma política econômica mais ativa, não nos parece que aquele crescimento pujante seja possível em um cenário de stress internacional. Ontem, no Valor, dois comentaristas sintetizaram a situação chinesa: será que dá para impulsionar ainda mais os Investimentos em um cenário de desempenho instável do setor de tradables?

A economia americana vem desalavancada, i.e., retirando os passivos do balanço das famílias e empresas. É um processo que demora muito tempo para ser completado, logo não se imagina que a retomada do nível de atividade seja consistente nos próximos trimestres. Alternará entre boas e más notícias. Já a Europa, não há problema técnico. Todo mundo já sabe o que deve ser feito para resolver a crise financeira. O problema é eminentemente político, de difícil resolução. Sinceramente, acho muito pouco provável que seja resolvido no curto prazo.

Diante disso, essa Diretoria vem demonstrando que a situação externa exerce grande influência sobre suas decisões. Observe: não é que o crescimento esteja a frente da inflação. A questão central que tem sido amplamente divulgada pela autoridade monetária é que o impacto desinflacionário do cenário externo compensa qualquer impasse doméstico. E foi isso que justificou o atual processo de afrouxamento monetário. Em assim sendo, não vejo motivos contrabalanceadores suficientes para que já aqui o Copom decida por não reduzir mais 50 pontos-base. Em outros termos, ele deve continuar testando a economia com juros reais abaixo de 3%.

E isso significa que irá reduzir a Selic em mais 50 pontos-base na próxima reunião. Daí encerra-se o ciclo atual de redução dos juros, dando início ao período de parada técnica. Observa se a economia de fato irá reagir com mais vigor a partir do 4º trimestre e se isso não impedirá a convergência da inflação para a meta. Caso haja sinais de pressão do hiato ou ainda a presença de efeitos secundários advindos de outros choques de oferta, a Selic deve volta a subir no próximo ano. Provavelmente no segundo semestre.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.