Por que as universidades privadas brasileiras são, na média, de qualidade questionável?

Esse é o título de um dos artigos de opinião mais extensos que já escrevi. Quem escreve sabe que a extensão de um artigo é o primeiro desestímulo para o leitor. O fiz, porém, de forma proposital, pois queria sintetizar uma tese bastante oportuna: a relação entre a gratuidade das universidades estatais e a má qualidade de ensino das universidades privadas. Será que uma coisa tem relação com a outra? Ou melhor, será que uma implica na outra?

À primeira vista, trata-se de uma questão estanque. Ora, pensará o leitor, o que os alhos tem a ver com os bugalhos? De fato, não é algo trivial perceber que a existência de uma universidade estatal gratuita implica em um sistema privado de ensino superior com qualidade média muito baixa. Isto porque, dadas as espeficidades de nossa formação enquanto país, há um sentimento viesado quanto à expansão das universidades privadas. Geralmente, na maior parte dos debates leigos sobre o assunto, culpa-se o governo FHC pela "expansão desenfreada" do ensino superior privado no país. Seria, portanto, um problema regulatório a existência de faculdades privadas de baixa qualidade.

Deixando essa questão de lado, é preciso dizer que qualquer expansão está sujeita a problemas de qualidade. O número de matrículas no ensino superior brasileiro saltou de quase 2MM em 1997 para mais de 5MM em 2009. Antes, as matrículas em instituições privadas respondiam por 60% do total. Hoje esse número é de mais de 74%. Mesmo com todos os investimentos públicos feitos nos últimos anos (sob a tutela do Reuni, principalmente), o fluxo de ingressantes pouco se alterou: apenas 22% de estudantes  que ingressam no ensino superior entram em universidades estatais.

A questão é bem grave, leitor. Ao amarrar acesso ao ensino superior com gratuidade, nosso país automaticamente condena as universidades privadas (a maior parte delas) a ter uma qualidade questionável. Isto ocorre por dois motivos: a imposição da redução de custos para competir no mercado e o acesso a alunos de ensino médio com formação deficiente. Isso significa que a ampliação do ensino superior brasileiro está sendo feita em bases pouco sólidas.

É claro que para melhorar o aluno médio que entra no ensino superior é preciso melhorar a educação básica brasileira. Isso é um ponto dado, sem discussão. A questão do ensino superior, entretanto, é de eficiência. No atual quadro, o presidente (ou reitor) de uma instituição privada estará preocupado em investir em pesquisa ou em ampliar o número de mensalidades? E porque uma escolha e não a outra? O leitor curioso pode conferir esse e outros questionamentos lendo o artigo completo aqui.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.