Crônicas Urbanas

Apaixone-se em Porto Alegre

By 16 de janeiro de 2011 março 11th, 2011 No Comments

Imagine uma cidade onde o número de mulheres supera o quantitativo de homens. Nessa mesma cidade a população de gays, lébiscas e simpatizantes é enorme. Para completar, os homens são, digamos, um pouco rudes - em demasia - com as mulheres. Conseguiu imaginar como o paraíso é? Pois então, essa cidade existe e o nome dela é Porto Alegre, a mais meridional desse país chamado Brasil.

Mas "falemos" baixo, pois se muitos outros como nós souberem disso, jaz aqui um proxy de paraíso. Somente entre nós, Porto Alegre é A cidade. Possui uma noite vibrante e um dia enriquecedor. Come-se bem, hospeda-se de forma honesta e, digamos, dorme-se bem acompanhado. Já aqui o leitor tem alguma pista: a maior parte das mulheres-modelos desse país tem como origem aqueles lados. Não se admira: mulheres loiras, de olhos azuis e de mais de 1,70m encontram-se às pencas, por qualquer avenida, seja na movimentada Voluntários da Pátria, no Centro, ou na famosa Calçada da Fama, em Ipanema.

Nesse sensato aspecto, o homem que estiver em dúvida sobre sua masculinidade deveria tirar uns dias e ir conhecer a capital do Rio Grande. Acaso não volte para sua terra natal apaixonado por, no mínimo, uma dúzia de mulheres, te garanto: tu é gay mermão! Não há como não se apaixonar por mulheres loiras lindas, sorridentes e com aquele sotaque cantado que mais parece música aos ouvidos.

Tá, eu confesso, o sorriso não é para todos não viu. De início, elas são meio assim do tipo carrancudas. Mas não antipáticas. Exibem, por suposto, uma tristeza enraizada, histórica diga-se. A tristeza da viuvez precoce, do tipo que se obtém pela inexistência do carinho masculino. Sim: as mulheres do extremo sul desse país sofrem de carência extrema, quase uma tristeza sem cura, já que seus conterrâneos do sexo oposto não comparecem como deveriam.

Mas tudo passa quando o sotaque é de fora (e, de preferência, do Rio) e dois dedos de prosa (ou, de preferência, de poesia) são trocados. O castigo da tristeza, enraizado até então, se desfaz em um belo sorriso, quase tão comovente quanto o pôr-do-sol às margens do Guaíba, visto na Usina do Gasômetro, acompanhado que é por um copo de cerveja gelada porque o calor nessa época é de deixar carioca com inveja. E tão logo desfaz-se a tristeza e enobrece o espírito com um belo sorriso, é dada a largada para mais uma paixão.

Um conselho: visite Porto Alegre e volte apaixonado.  Um segredo, que descobri só agora, depois de algumas visitas àquela terra sagrada: apaixone-se várias vezes por dia e vire fã da terra. É de se intrigar porque mulheres lindas como aquelas ficam por ai com as piores faces do mundo. Mas tão logo se investiga, vem a resposta: a paixão que têm a oferecer é pouco (ou nada) correspondida. Novamente: conheça as portoalegrenses em grandes quantidades. Esse é o segredo para não voltar para a SUA terra apaixonado por (apenas) uma delas.

De resto não tenho mais nada a dizer. Apenas que qualquer final de semana desses volto para lá. Hospedo-me na Cidade Baixa, perto da Lima e Silva, onde o movimento rola e me apaixono de novo. Algumas centenas de vezes, é claro. Só para não correr o risco de me apaixonar por uma só (apenas). Porque isso, só morando lá de vez mesmo. Por enquanto, apenas paixões de uma noite. Apenas uma, de cada vez.

Receba diretamente em seu e-mail gratuitamente nossas promoções especiais
e conteúdos exclusivos sobre Análise de Dados!

Assinar Gratuitamente