Para que servem e como se formam os economistas sérios?

[et_pb_section admin_label="section"][et_pb_row admin_label="row"][et_pb_column type="4_4"][et_pb_text admin_label="Texto" background_layout="light" text_orientation="justified" text_font="Verdana||||" text_font_size="18" use_border_color="off" border_color="#ffffff" border_style="solid"]

Sempre me perguntam qual seria a grade ideal para o curso de economia. Acho que cada economista, estudante ou professor vai ter a sua. A minha tem o objetivo de formar o que eu chamo de economista sério. É uma espécie de antítese ao que alguns colegas e professores que admiro chamam de economista alternativo. E vou procurar explicar nesse post o porquê, mostrando a ementa que considero a mais ideal para formar esse tal economista sério. Vamos lá?

Antes de mais nada, é preciso dizer que economia, em qualquer lugar do mundo, é uma disciplina menor, que procura entender e resolver problemas econômicos. Para isso, o economista constrói e estima modelos. Então, o dia a dia do economista é ler papers, para entender a literatura sobre um determinado assunto, construir ou pegar emprestado algum modelo teórico e estimá-lo empiricamente.

Economista não é, nesse contexto, filósofo, que fica divagando sobre os problemas do mundo. Não. Economia, por si só, já é um baita problema difícil. Sejam os problemas macro, sejam os problemas micro. Por isso, é preciso se concentrar em aprender teoria e instrumental para lidar com eles.

Para fazer isso hoje em dia, você vai precisar de um curso de linguagem de programação voltada para data analysis, como o R ou o Python. Esse curso vai te ajudar a lidar com dados. Vai precisar de uns quatro cursos de teoria macroeconômica e outros quatro cursos de teoria microeconômica. Mais dois cursos de Cálculo, um curso de Equações Diferenciais, um de Álgebra Linear, dois de Estatística e três de econometria. Pronto, está formado o que o mundo entende quando a palavra economista é pronunciada.

Será sempre possível acrescentar a esses cursos obrigatórios alguns optativos, em finanças, em econometria, macro, micro, história do pensamento econômico, história econômica, etc. Mas eu - opinião pessoal - acho um equívoco não ter aquela sequência de cursos antes de qualquer coisa. Saber lidar com dados é algo essencial hoje em dia e um economista que não sabe fazer isso não pode ter o título de economista. Ele vira um economista alternativo e deixa de ser um economista sério. 

Acho que é isso. Se você discordar de mim (o que provavelmente vai acontecer), deixe seu comentário aí...

Update: Diante da clara distância entre essa "grade ideal" e as grades existentes por aí, será que vale a pena cursar economia? Ver outro texto meu sobre o assunto em: Sobre evidências e heterodoxia: vale a pena fazer economia no Brasil?

[/et_pb_text][/et_pb_column][/et_pb_row][et_pb_row admin_label="row"][et_pb_column type="1_3"][et_pb_button admin_label="Botão" button_url="https://analisemacro.com.br/cursos-de-r/introducao-ao-r/" url_new_window="off" button_text="Curso de Introdução ao R " button_alignment="center" background_layout="light" custom_button="off" button_letter_spacing="0" button_use_icon="default" button_icon_placement="right" button_on_hover="on" button_letter_spacing_hover="0"] [/et_pb_button][/et_pb_column][et_pb_column type="1_3"][et_pb_button admin_label="Botão" button_url="https://analisemacro.com.br/cursos-de-r/teoria-macroeconomica/" url_new_window="off" button_text="Teoria Macroeconômica" button_alignment="center" background_layout="light" custom_button="off" button_letter_spacing="0" button_use_icon="default" button_icon_placement="right" button_on_hover="on" button_letter_spacing_hover="0"] [/et_pb_button][/et_pb_column][et_pb_column type="1_3"][et_pb_button admin_label="Botão" button_url="https://analisemacro.com.br/cursos-de-r/analise-de-conjuntura/" url_new_window="off" button_text="Curso de Análise de Conjuntura usando o R" button_alignment="center" background_layout="light" custom_button="off" button_letter_spacing="0" button_use_icon="default" button_icon_placement="right" button_on_hover="on" button_letter_spacing_hover="0"] [/et_pb_button][/et_pb_column][/et_pb_row][/et_pb_section]

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

Analisando o impacto fiscal de propostas legislativas com IA

Todos os anos milhares de proposições legislativas são geradas na Câmara dos Deputados e Senado Federal, o que dificulta o trabalho de monitoramento feito por economistas, jornalistas e analistas de mercado. No entanto, ao empregar técnicas de engenharia de prompt e IA, podemos analisar estas milhares de proposições em questão de segundos. Neste exercício mostramos o caminho para esta automatização usando o Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.