A culpa da inflação é do tomate?

nucleosA inflação, definitivamente, é um tema de grande ressonância na sociedade brasileira. Hoje, por exemplo, ao voltar do Rio de barca para Niterói, pude conversar com alguns amigos. Em tempos normais só o que me perguntam é qual o melhor investimento, se devem aplicar na bolsa ou em renda fixa. Em tempos de declarações estapafúrdias do ministro da economia, a inflação virou o tema da travessia de cerca de 20 minutos. A pergunta residiu sobre o coitado do tomate, tido de tempos em tempos como o "vilão" da inflação brasileira. Como expliquei para eles, a própria definição de inflação já inocenta o fruto.

Antes de mais nada, inflação é um aumento persistente, generalizado e assincrônico de preços. Destaque, nesse aspecto, para o termo em negrito. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA) é composto atualmente por 373 bens e serviços. Eventualmente, um ou outro item dessa lista pode sofrer um aumento anormal, provocado por evento atípico. Foi o caso, por exemplo, do tomate e da batata inglesa em março, com elevações respectivas de 32,85% e 35,05%. A contribuição somada desses dois itens para o índice mensal foi de 16%. Alto, mas de rápida dissipação, dado que o ciclo de produção desses bens é curto.

A alta desses e de outros alimentos está sendo causada pela estiagem do verão brasileiro e da alta de algumas commodities no mercado externo. Dada a defasagem, só agora percebe-se o efeito nos índices ao consumidor. O problema, entretanto, não é o comportamento de alguns preços, mas da média dos bens e serviços ao longo do tempo. Para colocar esse aspecto em relevo, os economistas costumam trabalhar com núcleos de inflação, que excluem altas e reduções muito atípicas, bem como excluem preços que geram maior volatilidade no índice cheio, como alimentos.

O Brasil possui cinco medidas de núcleos. Para não ser acusado de privilegiar essa ou aquela medida, o gráfico acima ilustra o comportamento da média desses núcleos. Como se percebe no círculo em destaque, em março do ano passado a média foi de 6,14%, enquanto em março desse ano foi de 6,45%. Em outros termos, acaso retiremos pressões adversas e localizadas em alguns preços, ainda assim, a média dos núcleos é maior do que o próprio índice cheio, que esteve em 6,15% em março. Isto se explica porque os chamados preços monitorados têm se mantido muito aquém da média histórica, dada a interferência do governo no controle direto desses produtos.

Em assim sendo, leitor, me parece não apenas equivocado, mas de uma sordidez extrema a declaração oficial de que a inflação atual é fruto apenas de choques localizados, que logo se dissiparão. A inflação, medida pelos núcleos, têm se mantido muito acima da meta ao longo de vários períodos. É justamente por isso que a expectativa média do mercado encontra-se igualmente acima do centro da meta. E assim ficará até que a política econômica volte a ser séria. E o tomate, coitado, nada tem a ver com isso.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.