IPCA acumulado em 12 meses rompe o limite superior da meta

O resultado do IPCA em abril, de 0,77%, é incontestável quanto ao aumento de preços, dado que era esperado um número bem inferior por parte do mercado - li um 0,25% há algumas semanas. No acumulado de 12 meses (vide gráfico abaixo) há um claro processo de elevação da inflação desde o segundo semestre de 2010. O número de abril, 6,51%, rompe [inclusive] a banda superior da meta para 2011 - 4,5% com tolerância de 2 pontos percentuais para mais ou para menos.

Pelo que venho acompanhando, o governo já esperava por um número desfavorável em abril, dada a mudança de postura de seus integrantes frente ao processo inflacionário. O próprio Banco Central sinalizou na ata do COPOM, divulgada semana passada, que o ajuste da taxa básica de juros será "suficientemente prolongado". E para não restar dúvidas quanto a postura da autoridade monetária - e, portanto, um maior impacto na credibilidade da instituição - é esperado [agora] um aumento convincente da Selic, maior do que 50 pontos-base.

***

Aproveitando a divulgação desse índice, é incrível o quanto tem se falado ou escrito a respeito da aceleração de preços. Não lembro de um momento no Plano Real em que a preocupação com a inflação tenha sido tão intensa quanto este. Minha [modesta] opinião para essa situação é que tal postura se justifica pela negação do processo por parte do governo. Em assim sendo, pode-se dividir a condução da política monetária no período pós-99 em três momentos distintos:

i) de 1999 até a Crise 2008/09: condução da PM aos moldes do que Rogoff, 1985 pontuou e do que ficou estabelecido no "Novo Consenso Macroeconômico", com calibragem da taxa básica de juros. Uma aversão elevada à inflação seria suficiente para gerar credibilidade e assim balizar as expectativas inflacionárias;

ii) Período pós-crise [Meirelles]: uso [inédito no período recente] de política econômica anticíclica, tanto com estímulos fiscais quanto monetários;

iii) Período pós-crise [Tombini]: uso mais intensivo de políticas macroprudenciais do que uma elevação [mais convincente] da taxa básica de juros.

Vejo no governo atual uma tomada de postura muito mais desenvolvimentista na condução da política monetária do que no período Lula. Neste, ao contrário, o Banco Central era tido [e foi realmente] como independente em relação ao Ministério da Fazenda. Hoje essa independência não é de forma alguma transparente. E é justamente isso que mais preocupa, tanto o mercado financeiro, quanto o produtivo. Juros é um remédio ruim, mas pior do que ele é lidar com uma inflação em contínua aceleração.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Analisando a ancoragem das expectativas de inflação no Python

Se expectativas de inflação ancoradas com a meta são importantes para a economia, analisar o grau de ancoragem é imperativo para economistas e analistas de mercado. Neste exercício mostramos uma forma de aplicar esta análise com uma metodologia desenvolvida pelo FMI. Desde a coleta dos dados, passando pelo modelo e pela visualização de dados, mostramos como analisar a política monetária usando o Python.

Como analisar a DRE de empresas de capital aberto usando o Python

Quando analisamos a demonstração de resultados de uma empresa listada na bolsa de valores, frequentemente recorremos a ferramentas convencionais, que embora sejam úteis, muitas vezes carecem de automação. É aqui que entra o Python. Neste post, exploramos o poder do Python para automatizar o processo de coleta, tratamento e análise dos dados da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) da Eletrobras, utilizando dados fornecidos pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

Como construir uma Curva IS no Python

Neste post mostramos como podemos construir um modelo que descreve a Curva IS a partir da linguagem Python. Passamos por todo o processo de construção de um exercício de dados, realizando a coleta, o tratamento, a modelagem e a demonstração dos resultados encontrados.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.