Regra vs. Discrição [na condução da política econômica]: o que é melhor?

Um dos debates mais instigantes na ciência econômica [ao menos para mim] foi o sobre qual a melhor forma de guiar a política econômica: sob uma determinada regra ou de forma discricionária? Nas palavras de McCallumsob discrição o instrumento de política é definido ex-post a partir do estado corrente da economia, enquanto sob regra o instrumento de política é definido ex-ante a partir de uma norma anunciada publicamente. A despeito da farta literatura existente a respeito, com amplas evidências em favor da condução via regras para o aumento de bem estar de uma economia, bem como os conselhos advindos de Milton Friedman em artigo seminal de 1953, há ainda aqueles que criticam as premissas utilizadas nos modelos neoclássicos que investigam temas como viés inflacionário e inconsistência temporal, invalidando assim suas conclusões. Como ciência feita a partir de premissas neoclássicas para esses economistas não é muito bem vista, eis um exemplo brasileiro sobre o estrago que a condução discricionária causa:

"A gente não quer subsídio. O que a gente deseja é que o governo determine que políticas vai adotar para a matriz energética brasileira", diz [o usineiro de cana de açúcar, Jairo Menesis Balbo]. "Se a intenção do governo for manter tudo como está [a defasagem do preço da gasolina em relação ao exterior, para não gerar impacto sobre a inflação] não tem problema, vamos plantar abobrinha" (Valor, 11/08/2014, pg. A14). 

Eu fico me perguntando: quem em sã consciência prefere um estado mexendo o tempo todo nos instrumentos de política econômica ao invés de um que gera previsibilidade? Talvez aqueles que não entendem como funciona uma economia de mercado ou que nunca estiveram a frente de um negócio. Mesmo que seja vender limonada na esquina de casa... Você pode ler a matéria completa do Valor sobre a crise no setor sucroalcooleiro aqui.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.