Desemprego vai cair em 2014, apesar da baixa geração de vagas

poHoje, enfim, o IBGE voltou a divulgar a taxa de desemprego completa da economia brasileira. Na passagem de julho para agosto houve um leve aumento, com inclusão de 39 mil pessoas na condição de desocupados. Isso fez com que a taxa de desemprego avançasse, em termos dessazonalizados, para 5%, contra 4,6% em junho e 4,8% em julho. O que chama atenção nos dados da Pesquisa Mensal de Emprego é o comportamento da população ocupada, como pode ser visto no gráfico ao lado. Ela tem crescido ou de forma negativa ou bem próxima à nulidade nos últimos 12 meses. É um resultado coerente com os dados do CAGED, uma pesquisa de fluxo de empregados e desempregados do Ministério do Trabalho. Significa dizer que a geração de vagas, de fato, perdeu fôlego, diante do baixo crescimento da economia brasileira. O efeito disso sobre o desemprego, entretanto, vai depender do comportamento da procura por emprego nos próximos meses, como mostro abaixo.

prevdesemprego

A continuar o comportamento da procura por emprego como nos últimos meses, a despeito de um crescimento na geração de empregos tímido, a taxa de desemprego encerrará 2014 no intervalo entre 4,7% e 5,1%, com projeção centrada em 4,9%. Significa dizer que o desemprego se reduzirá em relação a 2013, quando foi, em média, de 5,4%. É ao menos o que diz o SARIMA que eu voltei a estimar hoje de manhã, com a atualização dos dados de maio, junho, julho e agosto da PME. No início de 2015, dada a sazonalidade intrínseca da série, o desemprego volta a aumentar, como mostra a projeção contida no gráfico acima.

Para o leitor atento não há muito o que comemorar, certo? Ora, o que eu disse foi que o desemprego irá se reduzir em 2014 - frente 2013 - a despeito do baixo crescimento na geração de vagas. Em outros termos, isso só pode estar acontecendo se a procura por emprego encontra-se limitada. Pois é. Abaixo eu coloco três gráficos com o comportamento da procura por emprego (medida pelo crescimento da população economicamente ativa) e da geração de vagas (medida pelo crescimento da população ocupada). O crescimento da PEA tem sido menor do que da ocupação, o que vai garantir uma taxa de desemprego menor esse ano. Em termos interanuais, a PEA cresce negativamente há 11 meses, com média de -0,8%!

peapo

peapo2

peapo3

 

A baixa taxa de desemprego me parece ter o mesmo efeito do biquini: esconde o essencial. Nesse caso, a dinâmica do mercado de trabalho... 🙁

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Como aplicar Balanceamento por Entropia no R?

Nesta postagem, apresentamos uma introdução ao Balanceamento por Entropia, comparando este método com a técnica de pareamento e demonstrando os resultados obtidos com a implementação do código em R.

Análise de Elasticidade Preço com Python

“Se eu aumentar o preço, o que vai acontecer com as vendas?” Uma forma de responder este tipo de pergunta é através de ferramentas analíticas de microeconomia, como a análise de elasticidade. Neste artigo, mostramos um exemplo prático utilizando dados reais com o Python.

Calculando o impulso de crédito no Python

Qual é o papel do crédito no crescimento da economia? Para analisar esta questão, calculamos o indicador de impulso de crédito para a economia brasileira e comparamos com o nível da atividade econômica usando o Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.