Para onde vai a taxa de desemprego?

A taxa de desemprego atingiu 11,3% da População Economicamente Ativa (PEA) no trimestre móvel encerrado em junho, informou a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua. Esse valor é três pontos percentuais maior do que o registrado em junho do ano passado. Ou seja, no período, 3,2 milhões de pessoas foram adicionadas ao desemprego. Nesse post, fazemos um exercício de previsão da taxa para os próximos meses.


grafico02

O gráfico acima detalha a evolução da taxa de desemprego medida pela PNAD Contínua, comparando a mesma no mês t contra o mês t-12. Observa-se que nos dois últimos meses, maio e junho, nessa comparação, houve uma pequena queda. Isso pode ser um sinal de que a alta do desemprego esteja próxima de um teto. Para buscar inferir o comportamento da taxa de desemprego no restante do ano, vamos construir um modelo BVAR, utilizando a variação interanual da população ocupada e da população economicamente ativa.

grafico01

Um aumento da população ocupada, naturalmente, faz com que a taxa de desemprego caia. De outra forma, um aumento da população economicamente ativa exerce pressão sobre a taxa. No período recente, uma combinação entre queda da PO e aumento da PEA tem pressionado o desemprego, gerando o cenário descrito acima.

grafico03

grafico04

Nesse contexto, de forma a avaliar como a taxa de desemprego evoluirá no restante do ano, resolvemos construir um modelo multivariado com essas três variáveis. Com o modelo construído, ademais, podemos verificar as funções de impulso resposta, como abaixo.

grafico05

Elas, por suposto, confirmam a intuição. Choques na PEA geram efeito positivo sobre o desemprego, enquanto choques na PO geram efeito negativo. Uma vez ratificado a relação entre as variáveis, podemos construir as trajetórias previstas, como abaixo.

grafico06

As projeções pontuais e médias são postas na tabela abaixo.

point.desemprego point.pea point.po mean.desemprego mean.pea mean.po
1 11.52 -1.58 1.83 11.52 -1.58 1.83
2 11.71 -1.63 1.83 11.72 -1.64 1.83
3 11.90 -1.69 1.83 11.92 -1.69 1.82
4 12.10 -1.75 1.85 12.12 -1.74 1.81
5 12.29 -1.80 1.84 12.33 -1.79 1.79
6 12.48 -1.86 1.84 12.53 -1.83 1.76

O modelo projeta que a taxa de desemprego ainda piorará ao longo de 2016, saindo de 11,3% em junho para 12,5% em dezembro. Um aumento de cerca de 1 ponto percentual na taxa equivale a adicionar algo próximo a um milhão de pessoas no desemprego. Ou seja, se o modelo estiver correto, ainda vai piorar, antes de melhorar... 🙁

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Coletando dados do Google Trends no R e no Python

Como acompanhar e antecipar tendências de mercado? Independentemente da resposta final, os dados são o meio. Neste artigo, mostramos como obter dados do Google Trends em tempo quase real, utilizando as linguagens de programação R e Python.

Contribuição para a Volatilidade [Python]

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

Inflação de Serviços vs. Desemprego

A teoria econômica convencional sugere a presença de um trade-off entre inflação e desemprego no curto prazo, comumente conhecido como a Curva de Phillips. Em termos simples, reduções na taxa de desemprego podem resultar em um aumento temporário na inflação. Nesse contexto, a inflação de serviços emerge como uma categoria particularmente relevante devido às suas características distintivas. Para explorar e visualizar a relação entre inflação de serviços e desemprego, conduzimos uma análise utilizando a linguagem de programação Python. Além disso, empregamos o procedimento de Toda-Yamamoto para avaliar a existência de uma relação de causalidade no sentido Granger entre essas variáveis.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.