Para crescer 4% em 2013

Supondo que a economia brasileira cresça 1% no último trimestre de 2012, contra o 3º trimestre, será preciso manter a média de 0,7% de crescimento na margem para fechar 2013 com crescimento de 4%. Isso implica que o nível de investimento deverá voltar a crescer, pelo lado da demanda. Já pelo lado da oferta, a Indústria terá de continuar a retomada ilustrada no 3º trimestre. Notadamente, será preciso construir uma agenda clara e condizente, como essa aqui. Não é anunciando pacotes mirabolantes a cada semana que o governo alcançará o número mágico de 4%.

Dado que vivemos um cenário externo ainda nebuloso, taxa de inadimplência de pessoas físicas em 8% e elevado endividamento das famílias, as perspectivas não são nada favoráveis para um avanço contundente da taxa de investimento. É justamente por isso que as projeções de crescimento para 2013 estão caindo monotonicamente na pesquisa Focus. Meu número, em particular, gira em uma média de crescimento em torno de 0,3% ao longo do próximo ano (na margem), fechando 2013 em 3%.

Já ficou claro, leitor, que não adianta o governo ficar tentando atacar o problema da demanda, com renúncia fiscal, por exemplo. O problema está no lado da oferta. O empresário olha para o cenário e não vê boas perspectivas. Por isso não investe. Há cinco trimestres a taxa de investimento veio negativa. Está cada vez mais claro que para crescer os tais 4% o governo deve consolidar e executar aquela agenda de reformas, dando transparência e previsibilidade às suas ações. Somente isso faria a taxa de investimento em relação ao PIB avançar dos atuais 18% para algo mais que 20%. Sem esse aumento, nós teremos desequilíbrios em breve (leia-se: inflação).

Isso forçará a autoridade monetária a elevar a Selic, dado que tudo bem o regime de inflação ter sido flexibilizado, mas ir além de 6,5% já é um pouco demais. Mais inflação, Selic maior, freio no crescimento. Daí a importância de se consolidar um ambiente de volta do investimento.

E isso, porque não falamos da produtividade, nem do mercado de trabalho...

Maiores detalhes sobre o ativismo do governo aqui.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Como usar o Google AI Studio e o Gemini?

Na corrida da IA, novas ferramentas e modelos são lançados quase que diariamente. Neste artigo mostramos como o Google tem competido neste mercado através do AI Studio e do Gemini e damos um exemplo de integração em Python.

Analisando a ancoragem das expectativas de inflação no Python

Se expectativas de inflação ancoradas com a meta são importantes para a economia, analisar o grau de ancoragem é imperativo para economistas e analistas de mercado. Neste exercício mostramos uma forma de aplicar esta análise com uma metodologia desenvolvida pelo FMI. Desde a coleta dos dados, passando pelo modelo e pela visualização de dados, mostramos como analisar a política monetária usando o Python.

Como analisar a DRE de empresas de capital aberto usando o Python

Quando analisamos a demonstração de resultados de uma empresa listada na bolsa de valores, frequentemente recorremos a ferramentas convencionais, que embora sejam úteis, muitas vezes carecem de automação. É aqui que entra o Python. Neste post, exploramos o poder do Python para automatizar o processo de coleta, tratamento e análise dos dados da Demonstração do Resultado do Exercício (DRE) da Eletrobras, utilizando dados fornecidos pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários).

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.