Um Banco Central que não sabe se comunicar

Confesso que me causou estranheza ler no Valor de hoje a entrevista do diretor de assuntos internacionais do Banco Central, Luiz Awazu. A ideia do economista era defender a complementariedade entre a não redução da taxa básica de juros (anunciada na última ata do Copom) e as medidas macroprudenciais anunciadas no dia seguinte. A minha surpresa não foi em função da defesa da complementariedade das medidas, algo que eu apontei aqui e é bastante conhecido por quem estuda política monetária, mas sim a ambiguidade da comunicação do banco nos últimos anos. Explico a seguir o porquê.

De fato, tem sido difícil entender o que quer o Banco Central. Nesse caso específico, para não me alongar muito, o diretor Luiz Awazu contraria o que escreveu o próprio banco no parágrafo 27 da ata da 155ª reunião do Copom. Nesta lê-se, em linhas esclarecedoras, que "O Comitê ressalta que há certa equivalência entre ações macroprudenciais e ações convencionais de política monetária e que a importância desse vínculo tende a crescer com o aprofundamento do mercado de crédito, fenômeno este observado no Brasil nos últimos anos". Na época a minha crítica particular (e do mercado, em geral) foi justamente pela adoção do termo "certa equivalência". A literatura não reconhece a ideia de que medidas macroprudenciais tenham efeitos "equivalentes" às medidas convencionais, havendo entre elas complementariedade, dado que respondem por objetivos distintos. Às medidas macroprudenciais cabem manter a estabilidade do sistema financeiro, enquanto às medidas convencionais (e não convencionais) cabem manter o controle da inflação. 

Isso dito, explica-se a minha surpresa (e provavelmente do mercado) com o depoimento do diretor de assuntos internacionais do banco. Como eu prefiro acreditar na honestidade intelectual das pessoas, meu palpite é que o diretor não concordava com a posição de "equivalência" à época e agora está demonstrando essa divergência. O problema é explicar essa ambiguidade para o mercado. Entende-se, desse modo, o porquê do banco não conseguir balizar as expectativas dos agentes: ele não consegue se comunicar com clareza há um bom tempo.

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

Analisando o impacto fiscal de propostas legislativas com IA

Todos os anos milhares de proposições legislativas são geradas na Câmara dos Deputados e Senado Federal, o que dificulta o trabalho de monitoramento feito por economistas, jornalistas e analistas de mercado. No entanto, ao empregar técnicas de engenharia de prompt e IA, podemos analisar estas milhares de proposições em questão de segundos. Neste exercício mostramos o caminho para esta automatização usando o Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.