Como interpretar a turbulência nas bolsas internacionais?

A "segunda-feira negra", dia em que as bolsas de todo o mundo registraram índices negativos, foi uma reação aos últimos acontecimentos na Europa e, notadamente, nos EUA. Este último simbolizado pelo rebaixamento de nota da dívida de longo prazo pela S&P, de AAA para AA+, mas muito mais pela desconfiança dos investidores em relação ao potencial de recuperação da economia americana nos próximos trimestres. Já na Europa o problema é a desconfiança  em relação à capacidade dos governos da Espanha e da Itália de conseguirem rolar suas dívidas nos próximos meses. O spread em relação ao título alemão vem aumentando nas últimas semanas. Para quem não é familiariado com o tema segue uma tentativa de explicação básica sobre o assunto.

Existem ao redor do globo diversos agentes com capital em busca de valorização [daí a expressão 'capital externo']. Esses "proprietários de capital" aplicam o mesmo em diversos mercados: bolsa de valores, mercado de futuros, commodities, renda fixa etc. Tudo tendo com base dois conceitos básicos em finanças: risco e retorno. E, claro, sempre tendo a noção de que quanto maior o retorno, maior o risco do investimento.

Um agente individual, por exemplo, tendo 100 $ pode decidir aplicar esse montante em diversos mercados, dados, basicamente, o seu perfil em relação ao risco e ao retorno. O perfil do investidor com capitais girando ao redor do mundo (de um país para outro, de uma bolsa para outra, de uma bolsa para ouro etc.) é mais agressivo do que aquele que prefere manter seu capital em títulos de renda fixa, por exemplo. O problema é que mesmo esse agente agressivo é avesso ao risco. A aversão a risco é uma medida, portanto, de grau. Como ninguém sabe o que irá acontecer no futuro, todos os investidores são, por definição, avessos ao risco.

Nesse contexto, se aumenta a incerteza em relação aos cenários básicos projetados para o futuro (a economia americana voltar a crescer, a europa fazer o ajuste fiscal etc.), ocorre uma maior aversão ao risco por parte dos investidores. Quando isso ocorre, há uma saída de mercados tidos como mais arriscados [bolsas de valores, por exemplo] para mercados mais seguros [ouro, por exemplo]. Foi justamente isso que aconteceu ontem: diversos agentes assumiram posição de venda nas bolsas ao redor do mundo, migrando para outros mercados, como o de ouro. Daí que se mais pessoas estão vendendo ações do que comprando, a ação desvaloriza, ocorrendo o contrário no "mercado de ouro".

Até ai tudo bem, dirá o leitor mais astuto, mas como ocorre a contaminação? Como vários agentes ao mesmo tempo assumem posição de venda? A teoria econômica explica isso pelo já tradicional "efeito manada". Os agentes buscam sempre não perder e, caso isso seja inevitável, perder o mínimo possível. Daí que se há no horizonte desconfiança, aumento da incerteza, um agente [representativo] começa a emitir vendas de ações, o que é seguido por outros e mais outros, potencializando o efeito negativo. A busca por proteção contra possíveis perdas gera essa fuga da bolsa para outros mercados.

O curioso nesse caso é que, mesmo com o rebaixamento da nota da dívida dos EUA, houve igualmente uma migração para títulos americanos nessa estória toda. Isto porque o mercado [ainda] entende que o título americano é de baixo risco e em momentos de maior aversão,  ele se torna um dos refúgios seguros para o capital externo.

E como fica a economia brasileira nessa estória toda? É assunto para um post amanhã...

Compartilhe esse artigo

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp
Telegram
Email
Print

Comente o que achou desse artigo

Outros artigos relacionados

FED Speeches: Quantificando a Incerteza da Política Monetária com IA e Python

Os discursos dos membros do FED podem dar indicativos relevantes sobre a condução da política monetária, como a percepção de incerteza na fala e na escolha das palavras. Sendo assim, monitorar e interpretar não é suficiente, é necessário quantificar a incerteza nos discursos. Neste exercício mostramos o caminho para construir um indicador de incerteza da política monetária, usando métodos inovadores de IA com o Python.

Medindo o Hiato do Produto do Brasil usando Python

Uma medida extremamente importante para a avaliação econômica de um país é o Hiato do Produto. Neste post, realizamos uma comparação das diferentes formas de estimação dessa variável não observável utilizando o Python como ferramenta de análise de dados.

Como analisar a contribuição para a Volatilidade de uma carteira de ações usando Python

A contribuição para a volatilidade fornece uma decomposição ponderada da contribuição de cada elemento do portfólio para o desvio padrão de todo o portfólio. Em termos formais, é definida pelo nome de contribuição marginal, que é basicamente a derivada parcial do desvio padrão do portfólio em relação aos pesos dos ativos. A interpretação da fórmula da contribuição marginal, entretanto, não é tão intuitiva, portanto, é necessário obter medidas que possibilitem analisar os componentes. Veremos portanto como calcular os componentes da contribuição e a porcentagem da contribuição. Vamos criar as respectivas medidas usando a linguagem de programação Python.

como podemos ajudar?

Preencha os seus dados abaixo e fale conosco no WhatsApp

Boletim AM

Preencha o formulário abaixo para receber nossos boletins semanais diretamente em seu e-mail.